AVISO:
Informamos a nossos visitantes que todo conteúdo deste blog foi migrado para o endereço abaixo:

http://saudecanaldavida.blogspot.com.br/

Dentro de poucos dias esse endereço: http://www.caldeiraodesaude.com/,deixará de funcionar.

Para continuar lendo a notícia clique em: Read the rest of this entry » no final de cada artigo.

segunda-feira

Abcesso

O abcesso resulta de uma infecção local, por uma bactéria, que dá origem à produção e formação de pus.

União de pus produzida em geral por uma infecção bacteriana. Pode se formar em diferentes regiões do organismo (cérebro, osso, pele, músculo). Pode causar febre, calafrios, tremores e vermelhidão e dor na área afectada.

O que é 
O abcesso pode localizar-se em diversos órgãos ou tecidos: pele, boca, cérebro, pulmão, coração, fígado, intra-abdominal, pilo-nidal, entre outros. Resulta de uma infecção local, por uma bactéria, que conduz à produção de pus. Este material organiza-se num espaço fechado, o que dificulta a actuação dos mecanismos de defesa do próprio organismo.

Quais as causas 
Os abcessos são frequentemente provocados por infecções bacterianas, originando abcessos piogénicos. As bactérias implicadas variam com o local do abcesso - na pele, a bactéria mais frequente é o Estafilococos aureus, mas também podem aparecer anaeróbios ou flora mista; estão habitualmente relacionados com o folículo piloso e desenvolvem-se em zonas com suor e fricção.

Os abcessos intra-abdominais costumam ter origem em infecções de outro órgão abdominal, perfuração de víscera ou feridas.

As infecções da cavidade bocal podem originar abcessos faríngeos ou nos gânglios do pescoço.

Os abcessos cerebrais podem ter origem em infecções da órbita, mastoide, dentes, ouvido médio, seios perinasais e meninges.

Quais os sintomas 
Os sintomas dependem do órgão ou tecido afectado. Ao nível da pele, por exemplo, os doentes apresentam sempre inflamação local com dor, inchaço, calor e vermelhidão, por vezes com drenagem espontânea de pus e febre. Os abcessos "maduros" têm flutuação à palpação e a pele que os reveste torna-se mais fina.

Os abcessos intra-abdominais podem encontrar-se em vários órgãos ou localizações (rim, fígado, baço, pâncreas, diafragma, pélvis, retroperitoneais, próstata). Os sintomas variam, mas habitualmente há queixas de dor e de febre.

Os abcessos cerebrais podem provocar dor de cabeça, náuseas e vómitos, febre, deterioração do estado de consciência e convulsões.

Os abcessos pulmonares provocam tosse produtiva, dor torácica e febre. Se forem subagudos, produzem fadiga e emagrecimento.


Como se diagnostica 
Os abcessos cutâneos (da pele) são facilmente diagnosticados pela sua observação. Contudo, os abcessos em órgãos profundos podem ser de difícil diagnóstico, sendo necessários exames complementares de imagem como raio-x, ecografia, tomografia axial computorizada ou outros, para determinar a sua localização e tamanho. As análises ao sangue revelam habitualmente um aumento do número de glóbulos brancos, em resposta à infecção. A análise bacteriológica do sangue (hemocultura) também pode isolar o agente implicado, se este se encontrar em circulação.

Quando os abcessos são drenados pode ser útil a colheita de pus para análise bacteriológica, de modo a identificar o microorganismo implicado, e a sua sensibilidade aos antibióticos.

Como se desenvolve 
Quando ocorre a infecção de um tecido ou órgão observa-se inflamação local, pela chamada de grande número de células defensoras (glóbulos brancos) e destruição de células. A acumulação destes detritos constitui o pus, que é envolvido por tecido são, formando o abcesso "encapsulado", de forma a conter a infecção.


Formas de tratamento 
Os abcessos piogénicos são tratados com antibióticos e, frequentemente, requerem drenagem cirúrgica ou por punção com agulha, pois o fluxo sanguíneo e, consequentemente, a quantidade de antibiótico no local é escassa. A drenagem também alivia a dor e acelera o processo de cura. Se o abcesso for de grandes dimensões, pode ser deixado um dreno na loca ("buraco") do abcesso.

Formas de prevenção 
Para prevenir a formação de abcessos é fundamental seguir regras de higiene adequada, controlar a diabetes e tratar eficazmente as infecções que surgem, cumprindo o esquema de antibióticos prescrito.

Doenças comuns como diferenciar 
Nos órgãos profundos, pode ser difícil distinguir um abcesso de um tumor - os exames de imagem são fundamentais, mas por vezes é necessário a excisão ou drenagem do abcesso com recolha e análise do pus.

Outras designações 
Nos órgãos profundos, pode ser difícil distinguir um abcesso de um tumor - os exames de imagem são fundamentais, mas por vezes é necessário a excisão ou drenagem do abcesso com recolha e análise do pus.


Quando consultar o médico especialista 
Quando surgem os sintomas descritos, o médico assistente deve ser consultado no sentido de prescrever o antibiótico mais indicado. O antibiótico pode delimitar a infecção mas, se não for suficiente, pode ser necessário recorrer a consulta ou urgência de cirurgia geral para drenar o abcesso quando se encontra "maduro". Nos abcessos profundos, a gravidade de determinadas situações justifica o internamento.

Pessoas mais predispostas Os abcessos da pele, com origem no folículo piloso, são mais frequentes em indivíduos:

* obesos;

* com higiene deficiente;

* com seborreia,

* que usam vestuário apertado;

* com diabetes mellitus;

* que fazem qualquer tratamento com corticóides;

* com baixa do número de glóbulos brancos neutrófilos;

* com debilidade do sistema imunitário.

Outros Aspectos Os abcessos da pele, com origem no folículo piloso, são mais frequentes em indivíduos:

* obesos;

* com higiene deficiente;

* com seborreia,

* que usam vestuário apertado;

* com diabetes mellitus;

* que fazem qualquer tratamento com corticóides;

* com baixa do número de glóbulos brancos neutrófilos;

* com debilidade do sistema imunitário.
http://www.medicinaealimentacao.com


http://www.facebook.com/profile.php?id=100001544474142

0 comentários:

Postar um comentário

Total de visualizações de página